Recarga de Extintores em SP

Os Sistemas de Hidrantes e Mangotinhos Brasileiros

Um elenco normativo incompleto não garante, necessariamente, que um sistema de proteção e combate a incêndio funcionará adequadamente, tal fato fica evidenciado com os sistemas de hidrantes que protegem as edificações brasileiras.

Inicialmente, a preocupação foi garantir que a tubulação empregada fosse construída com especificações e padronizações de suas dimensões básicas, com o intuito de garantir que os projetos tivessem a sua fidelidade comprovada, independentemente do seu fabricante, para tanto, foram elaboradas as seguintes normas: ABNT NBR 5580 – Tubos de aço-carbono para rosca Whitworth gás para usos comuns na condução de fluídos – Especificação; ABNT NBR 5587 – Tubos de aço para condução, com rosca ANSI/ASME B1.20.1 – Dimensões básicas – Padronização e ABNT NBR 5590 – Tubo de aço-carbono com ou sem costura, pretos ou galvanizados por imersão a quente, para condução de fluídos – Especificação.

Em seguida, ficou claro que as conexões para esta tubulação também, compulsoriamente, deveriam ser normalizadas para garantir o mesmo propósito, resultando na elaboração das normas ABNT NBR 6414 – Rosca para tubos onde a vedação é feita pela rosca – Designação, dimensões e tolerâncias – Padronização; ABNT NBR 6925 – Conexão de ferro fundido maleável, de classes 150 e 300, com rosca NPT, para tubulação e ABNT NBR 6943 – Conexão de ferro maleável para tubulações – Classe 10 – Especificações.

Em seguida, verificou-se que nada adiantava garantirmos a chegada de água ao abastecimento das mangueiras de incêndio, cumprindo os padrões de vazão e pressão, se as mangueiras de incêndio não suportassem as pressões, e muitas vezes causando lesões aos bombeiros e aos brigadistas, por rupturas no duto flexível e o que é pior, ejetando uma das conexões cujo impacto pode ocasionar danos pessoais e materiais. Para suprir essa falta, foi elaborada a norma ABNT NBR 11861 – Mangueira de incêndio – Requisitos e métodos de ensaio.

Sistemas de Hidrantes

Sistemas de Hidrantes

Os Sistemas de Hidrantes e Mangotinhos Brasileiros são Confiáveis ao Longo do Tempo?

Com o decorrer do tempo, saltou aos olhos que as mangueiras de incêndio necessitavam de uma inspeção e manutenção periódicas, visto que, ao serem colocadas em uso, apresentavam vazamentos oriundos de vandalismo, efetuados por instrumento perfuro-cortante, e ausência de suas conexões por furto, além da utilização indevida, como por exemplo, lavagem de pátios e veículos de grande porte, que também ocasionam danos às mangueiras. Para minimizar dissabores, na hora de sua utilização, foi elaborada a norma ABNT NBR 12779 – Inspeção, manutenção e cuidados em mangueiras de incêndio – Procedimento.

Por razões construtivas e possibilidade de maior durabilidade da tubulação, o cobre foi utilizado e normalizado através das normas ABNT NBR 13206 – Tubo de cobre leve, médio e pesado sem costura, para condução de água e outros fluídos – Especificação e ABNT NBR 11720 – Conexão para unir tubos de cobre por soldagem ou brasagem capilar – Especificações, sem prejuízo das vazões e pressões de projeto.

Apesar desse respeitável elenco normativo, verificou-se que havia um emaranhado de informações visuais utilizados na sinalização, não só para a rede de hidrantes, mas para extintores, portas corta fogo, etc. Para eliminar esse verdadeiro festival de formas e cores, foram elaboradas as normas ABNT NBR 13434-1 – Sinalização de segurança contra incêndio e pânico – Parte 1: Princípios de projeto e ABNT NBR 13434-2 – Sinalização de segurança contra incêndio e pânico – Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

De posse desse acervo normativo, verificou-se a necessidade de utilizá-lo de forma ordenada, o que resultou na edição da norma ABNT NBR 13714 – Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio.

Um fato incontestável é que a habilidade para utilização das mangueiras de incêndio estava exclusivamente sob a égide dos corpos de bombeiros. Outro fato incontestável, é que há indústrias cujo risco de incêndio é iminente e, principalmente nos grandes centros, com a dificuldade da locomoção dos veículos dos corpos de bombeiros, seja pelo trânsito ou pela distância, um incêndio de pequenas proporções poderia ser uma verdadeira tragédia. Visando minimizar tais efeitos, foi elaborada a norma ABNT NBR 14276 – Programa de brigada de incêndio que organiza os brigadistas a efetuarem o primeiro combate até a chegada dos bombeiros profissionais legalmente habilitados. Quando se vislumbrava um elenco de normas já completo, notou-se que ainda faltavam algumas, como por exemplo, a ABNT NBR 14349 – União para mangueira de incêndio, pois em muitos eventos não se conseguia conectar de forma simples e rápida mangueira com mangueira e mangueira com a válvula para hidrante, conhecida vulgarmente como registro globo.

Até poucos anos atrás, no Brasil, fabricávamos esguichos de jato compacto que não é apropriado para combater diversos tipos de incêndio. Para suprir esta falta, foi elaborada a norma ABNT NBR 14870 – Esguichos de jato regulável para combate a incêndio. Embora tendo um atraso de três gerações em relação aos modelos europeu e americano, a indústria nacional teve a possibilidade de navegar por esse novo universo e se parcerias forem efetuadas com empresas estrangeiras de ponta, o país, em poucos anos, poderá caminhar ombro a ombro com as novas tecnologias.

Para coroar esse elenco normativo de proteção e combate a incêndio, através dos sistemas de hidrantes, a ABNT elaborou a norma NBR 16021 – Válvula e acessórios para hidrante – Requisitos e métodos de ensaio, tal norma mostrou-se imprescindível, visto que a ausência da normalização competente possibilitava que o mercado absorvesse produtos de qualidade de A a Z, comprometendo o desempenho do sistema como um todo, por exemplo, em razão da quebra de volantes ao utilizar a válvula e muitas vezes ferindo a mão do operador, travamento da haste por esta ser de material ferroso e por várias décadas não sendo utilizada, quando a válvula era aberta nem sempre ao fechá-la se mostrava operante, e só para concluir com brevidade, a vedação aderia à sede impossibilitando a vazão necessária.

Diante desse quadro, faz-se mister elaborar, com a brevidade possível, norma ABNT que contemple a periodicidade da inspeção e manutenção da rede de hidrante com a expedição do competente registro das verificações, inspeções e manutenções efetuadas, por pessoal habilitado, a exemplo do que ocorre nos Estados Unidos e na Europa.

 

Waldir Pereira
Consultor

 


Veja também:

* Maiores informações, consultar as normas na ABNT: (www.abnt.org.br)

 


 

Leave a Reply

3 × quatro =